"Aquele que não se abaixa por um centavo não vale metade do seu valor. "  (meu avô)

Distante disso, o DFMP tem por valor ajoelhar-se por um pedaço de plástico que não vale um centavo ...
Antes de aprender a contar, terá que reaprender o que realmente conta.

A existência de um "sexto continente de lixo" nos cinco oceanos já não é mais posta em dúvida. A exploração de combustíveis fósseis e seus derivados, a energia nuclear, a sobrepesca industrial, a superprodução agroalimentar ou o massacre de espécies animais são todos atos ecocidas com conseqüências desastrosas. Diante de tal avaliação, o desânimo é geral. E no entanto :

À questão :
"Que planeta vamos deixar para nossos filhos ?"
Resposta do DFMP : 
"Que filhos vamos deixar para o nosso planeta ?"

Uma lenda indigena conta que um dia houve um imenso incêndio na floresta. Os animais aterrorizados assistiam impotentes ao desastre. Só o pequeno beija-flor estava ocupado, pegando algumas gotas de água com o bico para jogá-las no fogo. Depois de um momento, o tatu, irritado por suas ações, considerando ridículo, disse-lhe :

- "Colibri ! Você está louco ? Você acha que é com estas gotas de água que você vai apagar o fogo ? " 
- "Eu sei que não posso fazer isso sozinho, disse o beija-flor, mas eu faço minha parte".

Como o Colibri, o DFMP aplica-se a fazer a sua parte. Determinado a agir, respeitar, honrar e proteger. Estes são os seus valores.

O diretor executivo de um grupo líder de comunicações internacionais, responsável por campanhas mundiais, estava muito interessado no nome "Don 't Fuck My Planet", assim como no logotipo, que tem uma mensagem forte. Ele me fez entender que grandes empresas sem ética ambiental poderiam financiar missões do DFMP apenas para resgatar uma boa imagem.

É por isso que o DFMP escolheu se autofinanciar afim de manter sua credibilidade e liberdade de expressão e ação.